ARQUITETURA | 2019

Frank Lloyd Wright
Principais Obras :
"A união entre beleza estética e função"

  • Tempo de Leitura Aproximada : 7 Minutos

Frank Lloyd Wright é um dos principais arquitetos da história americana. Ao longo de uma carreira de 70 anos projetou mais de 1.000 estruturas de praticamente todos os tipos possíveis. 

 

O arquiteto foi o criador da “arquitetura orgânica”, movimento estético que buscava desenvolver projetos arquitetônicos harmônicos às formas da natureza, com elegância e funcionalidade.

 

Conheça abaixo 3 das principais obras do arquiteto que mais dialogam com o conceito da Senplo. 

Principais Obras – Frank Lloyd

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM 

Matérias relacionadas

Conheça a história de Ludwig Mies van der Rohe, arquiteto alemão conhecido por suas formas retilíneas trabalhadas com simplicidade e elegância.

Rainha das curvas, é assim que Zaha Hadid é conhecida por conta das obras elegantes e complexas que construiu pelo mundo.

Com linhas ousadas e uma arquitetura pós-modernista ligada ao descontrutivismo, Frank Gehry, se tornou um dos arquitetos mais aclamados do século XX.

John Lautner ficou marcado pelos trabalhos arrojados com dramática sensibilidade espacial, resultando na construção de obras com estilo futurista.

1. Casa da Cascata (1937)

A casa da cascata (fallingwater)  é definitivamente a principal obra de Lloyd, sendo considerada por muitos a casa moderna mais famosa do mundo. Foi um marco na redefinição sobre a relação entre homem, arquitetura e natureza

 

A ideia inicial é que a casa fosse feita com vista para cachoeira, porém Lloyd, aplicando os  conceitos da sua arquitetura orgânica, criou uma verdadeira harmonia entre homem e natureza. Ele fez com que a cachoeira se integrasse ao projeto da residência. 

 

O arquiteto resolveu a obra em torno do ponto de encontro favorito dos Kaufmann (família a qual encomendou a casa), uma rocha acima da cachoeira, permitindo que esta rocha atravessasse o chão da sala para preservá-la. 

 

Outro ponto é que o movimento da cachoeira é sempre sentido, não visualmente, mas através do som, pois a água que se rompe pode ser ouvida constantemente em toda a casa.

2. Museu Solomon R. Guggenheim

No ano de 1943, Frank Lloyd foi convidado a projetar um museu para abrigar a coleção de arte não objetiva do empresário Solomon Robert Guggenheim. Para ganhar a obra, o arquiteto recebeu uma única exigência, criar um museu que fosse diferente de qualquer outro museu do mundo. 

 

Com essa missão, Lloyd seguindo seus princípios da arquitetura orgânica, escolhe um local na atual Quinta Avenida em Nova York. 

 

A construção do museu na região era essencial, pois seria uma edificação com vistas para o Central Park, que era o contato mais próximo da natureza que a cidade poderia chegar. 

 

A obra acabou sendo um dos projetos mais longos da vida do arquiteto, tendo sido iniciada em 1943 e finalizada em 1959, dois meses após a sua morte. 

 

No decorrer do projeto, Lloyd enfrentou diversos problemas, alguns estruturais e outros de protestos realizados por críticos de arte, que argumentavam que a obra arquitetônica era tão espetacular, que fazia com que o museu se destacasse mais do que os próprios trabalhos de arte que iriam ser exibidos.  

 

Os críticos tinham razão em partes, pois o museu todo branco, com suas curvas orgânicas no seu exterior, produzindo um efeito ainda mais impressionante no interior, não ofuscaria as obras de arte expostas dentro do museu, mas sim a beleza de qualquer outro edifício da cidade. Não é à toa que a obra se transformou em um marco na arquitetura de Nova York. 

3. Norman Lykes House (1967)

A residência foi projetada por Frank Lloyd Wright um pouco antes da sua morte, no ano de 1959, tendo sido finalizada por seu aprendiz, o arquiteto John Rattenbury, no ano de 1967.

 

A região onde foi construída a obra fica na encosta de uma montanha, a maioria dos arquitetos da época procuravam nivelar a área. Em vez disso, Frank Lloyd buscou edificar a obra intencionalmente em cima dos contornos irregulares do local.

 

A residência possui o enquadrando de uma vista de 180 graus da paisagem, contando com 2 andares e aproximadamente 3 mil metros quadrados. 

 

A planta da casa oferece circulação contínua e vistas desobstruídas da cidade de Phoenix e Palm Canyon a partir de todos os cômodos. Com uma aparência “futurista”, ela possui uma estrutura em forma de círculos concêntricos e cilíndricos, com paredes curvas, janelas circulares e recortes geométricos.

 

A casa foi a ultima residência projetada por Lloyd. Ela é icônica e carrega a essência do DNA do arquiteto. Com uma geometria lúdica na sua estrutura, a obra passa a sensação de se misturar com a própria paisagem, expressando a essência do legado da arquitetura orgânica criada pelo arquiteto. 

Norman Lykes House - Piscina
Norman Lykes House - sala de estar

Siga a Senplo nas redes sociais:

Continue Lendo

Explore nossa seção de conteúdo com artigos relacionados a arquitetura, desing, estilo, moda, conceito e muito mais!!